2018 O Ano da Suindara



Adaptação e tradução do texto "20 coisas que (talvez) você não saiba sobre a Ave do ano, a Coruja Suindara" - Publicado em 02/01/2018 por SEO/BirdLife  por Kátia Boroni para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí


A Ave do Ano: A coruja de igreja


A coruja de igreja ou Suindara (Tyto alba) é a Ave do Ano de 2018. Ela foi escolhida pelos participantes na votação popular organizada pela SEO / BirdLife. Durante 2018, a ONG ambiental realizará ações de conscientização e conservação sobre essa espécie que, na última década, perdeu 13% de seus espécimes. Em alguns pontos da península (Espanha), de fato, a queda chega a 50%. Embora conhecida entre o público, hoje a ave do ano mantém sigilo e curiosidades. Estas são 22 coisas que (talvez) você não sabia sobre ela. 



1) Quanto mede uma coruja de igreja? Entre 32 e 40 centímetros de altura. Mais ou menos o que um jornal mede na Espanha. 

2) Quanto pesa? Cerca de meio quilo, entre 430 e 620 gramas. 

3) Onde existem? A coruja de igreja abrange a maior parte do mundo. Só não habita em regiões muito frias (por exemplo, o Ártico) e no deserto ou em clima excessivamente árido. Também não é vista em algumas ilhas do Pacífico, em quase toda a Indonésia ou no norte dos Himalaias. Está presente na Europa, exceto na Escandinávia e na Islândia. De fato, é a única espécie da família Tytonidae presentes na Europa.

4) Todas as corujas são iguais? As corujas compõem uma família de aves, a Tytonidae, com poucas espécies (cerca de 16). De todas as espécies, a mais abundante é a coruja de igreja ou Tyto alba, mas atenção, são descritas 46 subespécies de Tyto alba, e algumas são candidatas a se tornarem espécies porque possuem diferenças significativas.

5) Quantos tipos de coruja existem na Espanha? Logicamente, a subespécie mais difundida na Espanha é a Tyto alba, a coruja de igreja (conhecida no Brasil como Suindara), presente em toda a península, nas Ilhas Baleares, Ceuta e Melilla, e nas Ilhas Canárias ocidentais. A subespécie gracilirostris - a coruja majorera - está presente em Fuerteventura, Lanzarote e Alegranza. Finalmente você pode ver a subespécie guttata, mais escura, que geralmente se comporta como invernante e que vem do leste e do centro da Europa.

6) Todas as corujas são da mesma família? Há várias palavras em Espanhol para denominar as corujas, e elas causam confusão até mesmo entre os falantes nativos: búhos, lechuzas, mochuelos, autillos, cárabos. Todas as corujas pertencem à mesma ordem de aves, os estrigtiformes ou os raptores noturnos. Esta ordem está dividida em duas famílias, as tytonidae  (corujas de igreja) e a Strigidae, que engloba o restante das espécies. Então as lechuzas e búhos são de famílias diferentes. Tanto em português quanto em inglês usamos apenas uma palavra para estas aves: corujas em português, e owls em Inglês.



No filme Harry Potter são usadas corujas de várias espécies, entre elas a coruja de igreja. A coruja do Harry Potter, Edwiges, é da espécie Coruja das neves (Bubo scandiacus).

7) Como se diferenciam as corujas de igreja das demais? Depende da espécie. Se falamos da coruja Bufo-real (Bubo bubo), a mais comum na península (Espanha), as diferenças fundamentais estão nos olhos - amarelos no caso da Bufo-real, e pretos no caso da coruja de igreja – e também no tamanho, já que a coruja Bufo-real é muito maior do que a suindara. A coruja Bufo-real não tem um disco facial tão marcado e tem penas em ambos os lados da cabeça (chamados de tufos). A propósito, mesmo que pareçam, as penas não são orelhas.



8) Como as corujas ouvem? As corujas são conhecidas pelo seu senso de audição prodigioso, e possuem um elemento característico chamado de disco facial. Além de cumprir as funções típicas de um rosto, o disco funciona como uma espécie de antena parabólica que captura e distribui o som para os seus dois ouvidos, convenientemente escondidos em ambos os lados do rosto, porém em alturas diferentes, permitindo assim uma localização da presa mais precisa. Por assim dizer, o rosto da coruja é uma grande antena parabólica.

(*)A coruja tem seus ouvidos em diferentes alturas. Desta forma, e em combinação com seu disco facial, ela é capaz de triangular a posição de algo, dependendo do som. Esse fenômeno é chamado de eco localização.

Gravura: Crânio de Aegolius funereus, no qual fica evidente a mesma assimetria entre as cavidades auditivas, presentes na suindara. (Fonte:Norberg, 2002).


1- Pena de contorno. Essas penas preenchem a cabeça e a maior parte do corpo. Não possui especialização; 2 - pena auricular: preenche o disco facial, possui ramificações reduzidas e é permeável ao som; 3 - penas refletoras: presentes em todo o contorno do disco facial, essas penas direcionam os sons para os ouvidos.   (Fonte: von Campenhausen & Wagner 2006)

9) Como as corujas enxergam? Ao contrário da maioria das aves, os olhos da coruja estão na posição frontal: podem calcular a profundidade e observar a realidade em três dimensões. Para poder ver lateralmente, o pescoço permite virar a cabeça em 180 graus de cada lado. Sua visão é quase duas vezes mais sensível à luz do que a do ser humano, e ele percebe tudo que se move, então, para confundi-lo, é melhor ficar completamente imóvel. Seus olhos também funcionam bem à luz do dia, mas flashes repentinos - por exemplo, de carros - podem cegar sua visão momentaneamente. Saiba mais neste link


10) Como as corujas voam? Em silêncio. Suas penas têm uma estrutura especial que amortece o atrito com o ar. Então elas podem brincar com o efeito surpresa quando se trata de caça. Elas também são especialistas em voos lentos, o que lhes permite localizar melhor suas presas.






11) Como as corujas comem? Elas são carnívoras e geralmente se alimentam de pequenos mamíferos, como ratos ou camundongos. É por isso que, em muitos países europeus, elas são consideradasaliadas dos fazendeiros. Na verdade, existem redes reais de poleiros e caixas-ninho para permitir que as corujas comam os ratos que se alimentam das plantações. Há ainda celeiros adaptados para que elas façam seus ninhos. Elas engolem suas presas completamente, mas não digerem a pele, o pelo  ou os ossos. Este tipo de resíduo é posteriormente regurgitado em uma bola conhecida comoegagrópila ou pelota. Se você encontrar uma espécie de bola preta com ossos, há uma coruja na área.




 As corujas de igreja ajudando no controle biológico de roedores na Indonésia! Matéria completa neste link


 Cuidados na alimentação das corujas de igreja em cativeiro


12) Como as corujas dormem? Como todas as aves de rapina, em pé. Elas geralmente fazem isso, logicamente, durante o dia. Elas são mais ativas no nascer e no pôr do sol.


13) As corujas migram? As residentes na Espanha não, embora no inverno haja a chegada de corujas europeias. Em todo caso, e em geral, as corujas de igreja são sedentárias e muito cosmopolitas. Não é por acaso que são chamadas de coruja de igreja, e em inglês barn owls (corujas de celeiro), já que são locais onde elas gostam de se abrigar e reproduzir.

14)  Onde elas moram? As corujas vivem em territórios que, no inverno, atingem cerca de 5.000 hectares (ou cerca de 7.000 campos de futebol). No verão, elas geralmente reduzem para 350 hectares. É sempre o mesmo. No mínimo, cada área de ação tem um ninho, um par de lugares para dormir e um número indeterminado de lugares para visitar ocasionalmente. Os territórios não são necessariamente circulares, eles podem adotar quase todas as formas e, enquanto passam a vida inteira neles, as corujas os aprendem na ponta dos dedos: elas memorizam os melhores lugares para caçar, as melhores rotas de voo, o melhor lugar para aninhar.

15) Onde elas aninham? Elas não constroem ninhos. Elas aproveitam todos os tipos de cavidades, localizadas principalmente em edifícios rurais. Por isso são chamadas de corujas de igreja, ou, em inglês, corujas de celeiro. Não é que elas tenham amor por esses dois tipos de construções, mas são eles que lhes fornecem o que precisam: um refúgio onde se sintam seguras e protegidas da chuva e do vento, e porque são altos. Corujas geralmente preferem lugares pelo menos três metros acima do solo.

16) Qual clima elas preferem? Elas são sedentárias, assim que se adaptam às variações climáticas. É no inverno que elas correm perigo, devido à escassez de alimentos e à necessidade de mais energia que elas têm. Um excesso de chuva também não lhes convém, especialmente durante a época de reprodução. Como tantas outras espécies, os episódios de clima extremo que o aquecimento global causa impactam sua sobrevivência. Como suas penas são muito macias, elas não são impermeáveis à chuva, e períodos com chuvas intensas e sem intervalos podem impossibilita-las de caçar e leva-las à morte por inanição. Como também possuem o metabolismo acelerado, no frio precisam se alimentar mais, e por ter uma dieta mais restrita que outras espécies (preferencialmente roedores), sua taxa de sobrevivência no inverno diminui bastante.

17) Quantos anos elas vivem? Estima-se que a média seja de quatro anos, mas o fato é que existem registros de corujas com 15, 17 e até 25 anos de idade. Essa média curta se deve ao fato de que a mortalidade no primeiro ano é ampla e o ser humano não facilita as coisas.

18) As corujas são fiéis? Elas são incrivelmente fiéis ao seu parceiro e ao território onde elas se estabelecem (de acordo com as circunstancias, é claro). Isso não significa que elas não compartilhem uma área com outros casais ou indivíduos. Elas geralmente não são muito territoriais.

19) É possível diferenciar machos de fêmeas? O elemento mais distintivo é que a maioria das fêmeas tem pequenas pintas marrons no peito, enquanto nos machos geralmente tem o peito completamente branco. No Brasil as corujas de igreja tem uma cor mais escura, ainda sim as fêmeas geralmente tem o peito mais escuro no tom dourado, e os machos o peito mais branco, mas ambos tem pintas escuras.



20) Como é o seu canto? De fato, elas manifestam uma grande variedade de vocalizações (já foram registradas 17 tipos), quase todas estridentes. O som mais ouvido é um chiado muito alto e metálico, que aumenta a medida que a coruja o emite. A verdade é que é perfeito para um filme de terror. Por conta deste grito, característico das corujas da família Tytonidae, muitos acreditam que elas atraem a morte, e isto causa a morte de muitas corujas de igreja por todo o mundo.


21) Por que a coruja está associada a todos os tipos de lendas?
As pobres corujas são associadas a coisas positivas e negativas ao mesmo tempo. Por terem hábitos noturnos e um som que parece um grito humano, se acredita que elas tragam mau agouro e até a morte. Porém elas também são associadas desde a antiguidade à sabedoria e ao conhecimento. Vejam mais sobre a lenda da Suindara neste link


22) Quantas existem? É difícil saber ao certo por causa de seus hábitos noturnos, então as dimensões da população são estimadas. Há apenas uma estimativa para a Espanha, feita na década de 90 do século passado e que sugeriu uma população entre 50.400 e 90.500 exemplares. A população europeia, segundo a BirdLife International, foi estimada entre 111 mil e 230 mil exemplares e representaria cerca de 5% da população mundial. Independentemente do número exato, as tendências apontam para declínios populacionais.



E um alerta!!!
O uso indiscriminado de veneno para ratos matam as corujas, especialmente as corujas de igreja, que se alimentam majoritariamente deles. Inclusive este é um dos fatores que estão levando às corujas de igreja ao risco de extinção em alguns países. Por isso, não usem veneno para ratos, há outras formas de controlar os roedores. Protejam as corujas!



Para saber mais sobre as corujas, sigam a turma do Corujando por ai!


Referência:



Posts relacionados:








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O criador das Corujas

Como funciona a audição das corujas?

Fancy rats: ratos de estimação